Preparo dentário

O preparo dentário com o objetivo de construir uma restauração indireta é um procedimento que deve ser executado com destreza e capricho. As irregularidades do término cervical não são reproduzidas por metais fundidos e muito menos por porcelanas sinterizadas. Quando a restauração não consegue copiar determinada região a adaptação será precária e posteriormente formará uma linha de cimento grande. Com pouco tempo o cimento em contato com o meio oral se deteriora expondo o término cervical à ação da placa bacteriana, e consequente formação de cárie.

A boa adaptação então, é imprescindível para dar longevidade ao trabalho executado.

……………………………………………………………………………………………….

…………………………………………………………………………………………….

A técnica da silhueta é uma técnica didática e que facilita a definição da anatomia do preparo. Utilizando pontas diamantadas específicas consegue-se uma forma apropriada e que coincide com a anatomia destas.

Basta orientar corretamente cada ponta diamantada e ao final do desgaste a anatomia será definida.

……………………………………………………………………………………………

…………………………………………………………………………………………………………….

…………………………………………………………………………………………………………….

……………………………………………………………………………………………………..

A remoção de coroas protéticas que apresentam deficiências de adaptação deve ser executada com bastante cuidado para se evitar perda de estrutura dentária seja devido a fratura em função dos procedimentos de tentativa de remoção, seja por desgastes inadequados oriundos do corte da coroa. O uso do ultra som é uma técnica segura e que evita perda desnecessária de estrutura dentária sadia.

………………………………………………………………………………………………………….

…………………………………………………………………………………………………………..

……………………………………………………………………………………………………………………………..

……………………………………………………………………………………………………………

…………………………………………………………………………………………………………

……………………………………………………………………………………………………….

9 thoughts on “Preparo dentário

  1. Olá!!
    Estou fazendo um trabalho cujo o tema é a avaliação endodontica no planejamento em prótese fixa. Estou com muita dificuldade, pois poucos livros tratam desse assunto. Você por acaso sabe onde eu poderia achar algo relacionado a esse tema? Se puder me ajudar, desde já agradeço…

    • Olá Adriano, o desgaste preconizado na literatura para restauração com metalocerâmica é de 1,2 mm, no entanto, para conseguir melhores condições de estética deve-se optar para um desgaste de 1,5 mm na região vestibular, 2,0 mm na ponte de cúspide de trabalho e 1,5 mm na cúspide de não trabalho as outras regiões podem variar entre 1,2 e 1,5 mms. Um abraço, Prof. Sérgio

  2. o 11 está com a cervical aparecendo o metal, a pac quer trocar a coroa. Com que broca tiro a coroa? Nesse caso posso fazer metal free? Ela já tem pino metálico, bem adaptado.
    Aguardo retorno.
    Obrigada.

    • Andreia, para remoção de uma coroa desse tipo pode-se usar uma broca diamantada para remoção da cerâmica e a parte do metal o melhor é usar uma transmetal, de preferência nova. Qdo há um pino metálico antigo a tendência é escurecer a raiz, e se a gengiva for mt fina ela deixa transparecer o “cinza”, oq ñ vai resolver com metal free. Mas de qq maneira, vc pode estar indicando qq uma.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s